Fraudes no exame da OAB em Goiás geram 18 denúncias contra 101 pessoas

Quinze mil reais. Esse foi o valor que alguns bacharéis em direito chegaram a pagar para serem aprovados no Exame de Ordem dos Advogados do Brasil em Goiás. Isso só foi possível por dois motivos: a disposição de alunos em pagar por isso e o acesso irrestrito da mentora das fraudes a todas as etapas do processo avaliativo.

Mas quanto vale o conhecimento? Para o filósofo alemão Martin Heidegger conhecimento e verdade são conceitos que se entrelaçam. Portanto, não é algo que se pode mercantilizar. Porém, entre 2006 e 2007, uma investigação da Polícia Federal demonstrou que essa visão teórica havia sido esquecida pela quadrilha presa na Operação Passando a Limpo. Na época, onze pessoas foram detidas e 26 mandados de busca e apreensão foram cumpridos.

Após um trabalho minucioso, o Ministério Público Federal em Goiás entregou à Justiça 18 peças acusatórias, relacionando 101 pessoas. O lapso temporal até a nossa manifestação se deve ao trabalho incompleto realizado pela Polícia Federal nesse caso. Após deflagarem a operação, todo material apreendido não havia passado por perícia, nem analisado ou sido cruzado com as escutas telefônicas. Tivemos que batalhar para conseguir que fizessem isso, até que no ano passado entregaram para gente o inquérito. Percebemos, porém, que faltavam algumas etapas. Daí, para não perder mais tempo, resolvemos encampar o trabalho de cruzamento de informações e transcrição dos áudios, algo que deveria ter sido feito pela PF, declara o procurador da República Helio Telho, responsável pelo caso.

Na denúncia principal, configuram as três cabeças da quadrilha: a secretária da Comissão de Estágio e Exame de Ordem Maria do Rosário Silva, que coordenava e operacionalizava as fraudes; e as advogadas Rosa de Fátima Lima Mesquita e Eunice da Silva Mello. Além delas, o grupo era formado ainda por Estevão Magalhães Zakhia, Euclides de Sousa Rios, José Rosa Júnior, Marcelo Monteiro Guimarães e Tadeu Barbalho André.

Entre outras acusações, elas são apontadas por crime contra a administração pública e contra a fé pública, mediante venda de aprovações em processos seletivos. Por meio desse esquema, as três obtiveram, diretamente, benefícios econômicos indevidos.

Só as acusações que pesam contra Maria do Rosário Silva ocupam nove das 88 páginas da peça de acusação. Aos 55 anos, Maria do Rosário Silva é acusada, entre outros crimes, por associar-se a outras sete pessoas, em quadrilha, de modo estruturado, permanente e estável; por vender aprovações em processos seletivos; por receber por mais de 100 vezes vantagens econômicas indevidas e por quebra de sigilo funcional em mais de 40 situações, repassando informações sobre o exame. Além disso, em torno de 70 vezes, ela suprimiu documentos verdadeiros e em 31 casos apresentou documentos falsos ou alterados para facilitar a aprovação fraudulenta.

Modus operandi – Para preservar o esquema de fraudes e assegurar os lucros, a organização criminosa agia de forma estável, permanente e duradoura com indícios de atuação desde outros Exames de Ordem anteriores aos do período investigado e compartimentada, de modo que cada integrante procurava relacionar-se tão somente com aqueles aos quais estivesse diretamente ligado.

Maria do Rosário Silva, por exemplo, tratava apenas com a intermediária Eunice da Silva Mello. A função de secretária da Comissão facilitou o esquema de fraudes. Entre as suas incumbências, estava a organização de todos os procedimentos relativos ao Exame de Ordem que era realizado pela Seccional do Estado de Goiás, três vezes ao ano.

Era Maria do Rosário que recebia e homologava as inscrições; que mantinha contato direto com a banca examinadora, com os gabaritos, com as correções das provas prático-profissionais e com os resultados dos recursos analisados; que acompanhava a impressão das provas objetivas e prático-profissionais na gráfica onde esse trabalho era feito; e que realizava leitura óptica, mediante equipamento específico, dos cartões-respostas da prova da primeira fase do exame. Além disso, ela tinha acesso irrestrito ao sistema informatizado do Exame de Ordem, com senha para alterar dados e distribuir os examinandos por salas, onde as provas eram aplicadas.

Em outras palavras, todo o processo seletivo tramitava pelas mãos de Maria do Rosário da Silva, o que lhe conferiu acesso à totalidade das informações sigilosas e ampla oportunidade de realizar, com segurança e êxito, manipulações fraudulentas para beneficiar quem se dispusesse a ‘pagar para passar’, explica Helio Telho.

Entre as fraudes praticadas, Maria do Rosário suprimia os cartões de respostas originais dos candidatos beneficiários, substituindo-os por outros, falsos, por ela preenchidos com respostas certas. Para a prova subjetiva, ela repassava para a intermediária Eunice da Silva Mello as folhas de respostas em branco para que os candidatos redigissem outras provas prático-profissionais.

A realização de monitoramento telefônico, judicialmente autorizado, gerou inúmeros áudios que corroboraram as suspeitas acerca da existência de quadrilha voltada à prática de fraudes em Exames de Ordem da OAB-GO, com envolvimento de então empregada pública da entidade, e, juntamente com outras diligências investigatórias como buscas e apreensões e prisões, possibilitaram a cabal elucidação do funcionamento da articulação criminosa, bem como o delineamento do envolvimento e das funções desempenhadas por cada um dos denunciados, pontua o procurador.

Arquivamento – Dentre as onze pessoas presas na época em que foi deflagrada a Operação, o MPF pediu arquivamento por não haver justa causa para a ação penal e nem outras diligências que possam desvendar os supostos crimes de quatro pessoas: Osmira Soares de Azevedo (funcionária da OAB-GO), Eládio Augusto Amorim Mesquita (na época, presidente da Comissão de Estágio de Ordem da OAB-GO), Pedro Paula Guerra de Medeiros (vice-presidente da Comissão, na época) e João Bezerra Cavalcante (na época, tesoureiro da OAB-GO).

Nos casos de João Bezerra Cavalcante, Pedro Paulo Guerra de Medeiros e Osmira Soares de Azevedo, apesar dos indícios de que tinham esquemas próprios de fraude, a Polícia Federal não reuniu provas suficientes que permitissem apontar os casos de fraude, identificar os beneficiários e descrever o modus operandi.

No caso de Eládio Augusto Amorim Mesquita, apesar das evidências de que, mesmo afastado de direito do processo seletivo de 2006, já que a sua filha faria prova naquele ano, continuou a exercer influência no certame, nas centenas de horas de conversas telefônicas gravadas, que foram ouvidas e reouvidas, não se encontrou nenhum diálogo que revelasse a participação de Eládio Augusto Amorim Mesquita na negociação das aprovações fraudulentas e, muito menos, que permitisse deduzir qual teria sido o seu papel no organograma do esquema delituoso. Assim, também, nas buscas e apreensões realizadas, não se apreendeu quaisquer evidências que reforçassem as suspeitas então existentes contra ele.

“Aparentemente, Eládio Augusto Amorim Mesquita agiu de modo negligente na condução da CEEO, em boa medida, justificada pelo constante receio de armadilhas da oposição classista. Era voz corrente no meio acadêmico, nos corredores dos cursinhos preparatórios e dentro da própria OAB/GO a existência de fraudes no Exame de Ordem. Eládio Augusto Amorim Mesquita omitiu-se a ponto de levantar suspeitas de conivência e, até mesmo, de cumplicidade criminosa, concluiu Helio Telho.

(Leia a íntegra do arquivamento, clique aqui).

Entenda o processo – As apurações foram desmembradas pelo MPF em diversos outros cadernos investigatórios, instaurados em razão da existência de dezenas de candidatos beneficiados, que foram agrupados por intermediários, com vistas à propositura de várias denúncias distintas. Confira:

Organograma do crime

Mentores

Denúncia nº 437/2011 MPF/PR/GO (clique aqui)

– Maria do Rosário Silva (Fiinha)

– Eunice da Silva Melo

– Rosa de Fátima Lima Mesquita

Intermediários e candidatos

São 17 grupos:

Grupo 1 Clique aqui e leia a denúncia

– Carmelino José de Araújo

– Renato Alves de Melo

– Waldir Camilo

Grupo 2 Clique aqui e leia a denúncia

– João Bosco Almeida Costa

– Aldecir Rocha Lopes

Grupo 3 Clique aqui e leia a denúncia

– Paulo Afonso de Souza

Grupo 4 Clique aqui e leia a denúncia

– João Bosco Antunes Teixeira

– Leonardo de Sousa Faustino Oliveira

– Nelson Antônio de Araújo

– Cleuza Regina Alves

– Denise Elena Pontes de Campos

– Rafael Pontes de Campos

– Ulrico Costa Júnior

– Sidnei Aparecido Peixoto

– Adão Crisóstomo de Morais

– Johnilton de Almeida e Silva

– Marcelo José Borges

Grupo 5 Clique aqui e leia a denúncia

– Arnaldo Pinto Brasil

– Estefânia Lima Conceição Machado

– Kellen Cristiane Afonso

– Lúcia Lira Schelle Magalhães

– Célio de Tarso Lira Schelle

– Ricardo de Moares Ramos

– Luciene Alves Rabelo

– Célia Maria de Sousa Lopes

– Gustavo Souza Porto

Grupo 6 Clique aqui e leia a denúncia

– Ana Paula Godinho e Silva

– Sandra Vieira Morais dos Santos

– Sther Fiúza Cançado Carvalho

– Maria Iranete Marques Cascão

– Jucielly Cristiane Silva de Souza

– Lorena Hipólita Jorge Pereira

Grupo 7 Clique aqui e leia a denúncia

– Luciana Lídia Alves de Souza

– Daniella Lina Cintra

– Rosalina Alves de Moraes

– Haroldo Leal de Araújo

Grupo 8 Clique aqui e leia a denúncia

– Tadeu Barbalho André

– José Ricardo Giroto

– Marcelo Cristaldo Arruda

– Cristina Garcia Rodrigues Azevedo

Grupo 9 Clique aqui e leia a denúncia

– José Rosa Júnior

– João José de Carvalho Filho

– Evangevaldo Moreira dos Santos

– José Washington Péclat Spicocci

– Antoninho Fonseca de Paiva

– Christian Marcelo Aquino Ximenes Moretto

– Clayton Machado Gomes Arantes Filho

– Bernadete Gutier Betti

– Viviane Aparecida Vaz Sebba

– Danillo Diego Vaz Machado

Grupo 10 Clique aqui e leia a denúncia

– Gilmar Alves Vieira

– Sinara Alves da Costa Carvalho

– Aldaíza Barroso Borges

– Luiz Antônio Borges

– Mariza Campos Paiva

Grupo 11 Clique aqui e leia a denúncia

– Paulinelly Geraldo Carneiro

– Walter Gomes Lombardi

– Mariângela Alves de Melo

– Raimundo de Souza Borges Júnior

– Meirivone Dias Noleto

Grupo 12 Clique aqui e leia a denúncia

– Maria do Rosário Silva

– Luciana de Castro

Grupo 13 Clique aqui e leia a denúncia

– Estevão Margalhães Zakhia

– Luzia Teles Pinheiro de Freitas

– Valdemar Gomes de Freitas

– Diogo Luiz Franco de Freitas

– Rafael Veloso Dantas

– Nilton Spindola Carneiro Júnior

– Pedro Ferreira dos Santos

– Danne Evelin Ferreira de Brito

– Maria Luciene Martins de Oliveira

– Vanice Cristina Rodrigues Bessa

– Soraya de Almeida Franco

Grupo 14 Clique aqui e leia a denúncia

– Maria do Rosário Silva

– Clausmir Zaneti Jaconini

– Márcia Maria Miranda Matos

Grupo 15 Clique aqui e leia a denúncia

– Diogo Leitão Gama

– Leandro Moraes Gonçalves

– Paulo Renato Freitas Neves

– Tadeu Barbalho André

Grupo 16 Clique aqui e leia a denúncia

– Euclides de Sousa Rios

– Adilson Nogueira

– Arthur de Paula Souza

– Cecília Júlia Barbosa da Silva

– Daniel Inácio Fontenele Azevedo

– Dorvile Ferreira dos Santos

– Eleusa Cristina Batista

– Fabrícia Bombeiro dos Santos Nogueira

– Fernanda Leandro Neves Pinheiro

– Flávia Ferreira Rodrigues dos Santos

– Frederico Inácio Fontenele Azevedo

– Lorena Alves Siqueira Tavares

– Michely Fortunato de Olivera

– Sabrina Máximo de Oliveira Fontenele

– Sidnei Aparecida Peixoto

Grupo 17 Clique aqui e leia a denúncia

– Sérgio Augusto dos Santos

– Meire Divina dos Santos

– Robson Divino Bernardes

– Welington Peixoto Moura

– Alcio da Silva Duarte

– Juveli Maria de Oliveira

– Rivaldo Lima Barros

Ministério Público Federal em Goiás

Assessoria de Comunicação

Fones: (62) 3243-5454

E-mail: ascom@prgo.mpf.gov.br

Fontes Site: www.prgo.mpf.gov.br – https://mpf.jusbrasil.com.br/

Twitter: http://twitter.com/mpf_go

2 comentários em “Fraudes no exame da OAB em Goiás geram 18 denúncias contra 101 pessoas

  1. Brendo camara Responder

    Um aluno de medicina recebe o diploma e também o CRM e sai receitando pacientes, dando diagnóstico sem nem sabe de sua real qualificação o mesmo com os engenheiros dentista arquitetos fisioterapeutas porque só os advogados precisando dessa prova, tirando a esperança de muitos jovens iniciar no mercado de trabalho, eu vejo a OAB associação criminosa um sindicato de classe de bandidos esse exame e inconstitucional.

    #fimdaoab

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *